sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Duas semanas, uma vida inteira


De que matéria são feitas as histórias? Não as grandiosas e conhecidas de todos, recheadas de feitos e efeitos. Mas a da gente comum e extraordinária que caça balões coloridos no céu das manhãs de domingo no inverno. Ou daquelas que abrem janelas espichando os braços pra fora  junto com as bandeiras para o dia encher o peito.





Eu tenho um palpite de aprendiz de fiandeira: essas histórias são escritas em tear. Milhares de milhões deles estão por aí, de todos os jeitos e formas, tecendo sozinhos mecânicos, tocados a muitas mãos continuamente, usando linhas de tons da mesma cor, produzindo erráticos coloridos ou previsíveis padrões.





Nós temos um tear, eu e você. Ele fica numa sala que criamos juntos para ele e que mantemos sob olhar sereno. Ao contrário do que possa parecer, não está sobre a mesa um cachecol tecido às pressas em duas semanas. Olhe bem... a trama segue enredada na urdidura. Vamos a ela quase sempre em solitude, revemos os fios trançados, tocamos lugares e sentimos ares, pegamos no pente sem crer que teceu tudo aquilo em tão pouco tempo. Percebe que fios são esses? Vê suas cores? Sente a textura e a força e a delicadeza?


Quem disse que todo amor-tecido tem o mesmo desenho? Não há pressa para terminar o trabalho do artesão quando a trama, acabada, não faz sentido. Ali está uma história. A nossa história possível. Vez por outra damos a ela um novo tom, recriamos o desenho a quatro mãos. Se haverá outro balão de sombra colorida a se projetar no urdume, pouco importa. Vou lá, abro a janela da sala, abraço a luz que sempre entra e inspira. Uma vida inteira a tecer.


PS: ... e como é bom tecer/escrever histórias ao som de boa música, esta costuma tocar na salinha...
 


2 comentários:

  1. Adorei Deh!
    Então... Tem uma canção que eu ouvia muito na minha infância e adolescência que me ajudAva a não pirar com meus questionamentos todos acerca da vida e da minha própria história:

    Chama-se "O Tapeceiro" ( Stênio Marcius)

    Um dado momento da canção ele diz:
    " minha vida é obra de tapeçaria
    Coberta de cores alegres e vivas
    Que fazem contraste no meio das cores
    Nubladas e tristes....

    Quando se olha do avesso
    Nem imagina o desfecho
    No fim das contas
    Tudo se explica, tudo coopera pro meu bem.

    Adorei suas divagações sobre o tear.
    Acredito que somos construtoras da nossa vida e da nossa história junto
    Com o grande tapeceiro e criador da vida que eu chamo de Deus e está aqui dentro de mim e que também é conhecido por vários outros nomes : Alah, Jeová, Senhor, Orixá, Cosmos, Universo, Criador.... Enfim, há um tapeceiro, um grande artista que vai fazendo junto a nós o seu trabalho incansável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, querida! Essa crônica foi um presente para um amigo querido em seu aniversário mas, depois de escrita, me dei conta de que ela fala a meu coração sobre as nossas relações na vida.
      Beijo grande!

      Excluir

Manda ver!